Autor
 
Nome: Luiz Carlos Carmona
RG : 988.168-9 Pr
Nascimento : 24/12/1953
Profissão :

Engenheiro , Analista de Sistemas, Consultor em Sistemas de Informação, Professor Universitário.

Partido Político : Nenhum
Área de interesse: Automação de procedimentos utilizando equipamentos de interface com usuários (Caixas eletrônicos, Terminais de Extratos, e demais Terminais de Auto-atendimento )
Objetivos: Este trabalho teve início  no dia da divulgação dos resultados das eleições gerais de 1998, pelo interesse  profissional em verificarmos o comportamento do eleitor diante de um terminal desenvolvido exclusivamente  para votar.

Ao ver os dados disponibilizados via internet, percebemos um fato matematicamente improvável, verificamos que o número de votos NULOS para Deputados era significativamente MENOR que os votos NULOS para Presidente e Governador.

Este resultado seria improvável pela lógica, já que para Presidente e Governador digitamos apenas 2 (dois) números ,  para Deputados Federais 4 (quatro)  e para Deputados Estaduais 5 (cinco); O eleitor que só anula o voto se digitar um número de candidato inexistente, é de se esperar que erraria mais para digitar 5 números do que 2; Logo deveríamos ter MAIS votos NULOS para Deputados e MENOS para Presidente ou Governadores. Os resultados finais mostravam exatamente o contrário.

Iniciamos então estudos, utilizando as bases de dados oficiais do TSE para verificar as possíveis causas , e constamos que houve em 1998  um DESVIO DE VOTOS NA URNA ELETRÔNICA capaz de comprometer o resultado final das eleições.

Aguardamos as eleições de 2000, para checarmos algumas teorias que desenvolvemos para explicar os desvios, e só então, baseados nos resultados pudemos comprovar  as causas e as consequências destes desvios.

Navegue pelas páginas, indicadas pelo Menu a esquerda e verifique as proporções e influência nos resultados finais de tais DESVIOS.